[cle1: REDIRECTION_DANS Lang:PT] [cle1: SECONDES Lang:PT]

CITROËN CONQUISTA PONTOS NO RALI DE MONTE-CARLO

A equipe Citroën Total Abu Dhabi WRT ocupa o terceiro lugar no Campeonato Mundial de Rali após a realização da etapa de Monte-Carlo, a primeira da temporada. Kris Meeke/ Paul Nagle terminaram a prova em quarto lugar e foram os mais rápidos no Power Stage, a etapa final da prova, enquanto Craig Breen/ Scott Martin ficaram na nona colocação.

O Rali de Monte-Carlo começou com uma etapa curta, mas muito difícil, na noite de quinta-feira – na qual quase todos os pilotos tiveram algum tipo de problema. Craig Breen/ Scott Martin e Kris Meeke/ Paul Nagre chegaram ao parque de serviço em sétimo e nono lugares, respectivamente. As posições não refletiram com exatidão o ritmo dos carros – mais uma vez, o “Monte” manteve sua reputação de ser imprevisível. Foram apenas 62,18 km de estágios cronometrados, ou seja, apenas 16% da distância total competitiva foi disputada. No entanto, essas duas primeiras etapas tiveram a dificuldade adicional de serem realizadas após o anoitecer, com os pilotos tendo apenas os fachos de seus faróis para guiar os carros.
Primeiro, um genuíno teste de coragem e bravura: pela primeira vez, o estágio entre Thoard e Sisteron foi disputado na direção contrária. Este trecho fez história no Mundial de Rali ao longo dos anos, devido à neve que sempre está presente ao redor do Col de Fontbelle.

Cobrindo quase três quilômetros de pista na fase de abertura, e principalmente na parte de baixo, a neve deu às equipes uma verdadeira dor de cabeça em termos de escolha de pneus no serviço antes da largada em Digne-les-Bains. Embora o feedback das equipes de segurança sugerisse que a etapa seria disputada predominantemente com piso seco, as duplas da Citroën Total Abu Dhabi WRT decidiram jogar com segurança e optar por levar seis pneus Michelin super macios (SS6). Craig Breen e Kris Meeke precisaram de todos os seus talentos acrobáticos para superar esse trecho crítico, no qual ambos perderam tempo depois de ficarem brevemente presos em valas – como muitos de seus rivais do WRC.
Ao estabelecer o quinto tempo mais rápido, a apenas 24,6 s do líder, Breen ficou mais relaxado, enquanto o custo mais pesado ficou para Meeke, que terminou o décimo, a 1:44.7 do líder.

O problema encontrado no primeiro estágio impediu que os pilotos ficassem completamente à vontade no segundo – especialmente quando Craig Breen, que teve dificuldades para entrar em contato com suas
equipes de segurança, chegou tarde ao controle de tempo e partiu para o estágio sem colocar a pressão correta nos pneus dianteiros.
Apresentando seis estágios nos departamentos de Hautes-Alpes, Drôme e Alpes de Haute Provence e cobrindo uma distância competitiva de 144,88 quilômetros (37% da distância total), a etapa de sexta-feira foi a mais longa do rali para o Citroën Total Abu Dhabi WRT. Breen/ Martin e Meeke/ Nagle tiveram destinos contrastantes.
Com ou sem neve, o Rali de Monte-Carlo é um grande desafio da largada à bandeirada. Isso esteve em plena evidência na sexta-feira: as condições de estrada, extremamente difíceis, prevaleceram com a umidade no ar durante todo o ciclo da manhã e depois com chuva à tarde. No entanto, as duplas do Citroën Total Abu Dhabi WRT não foram surpreendidas pelo clima variável, tendo optado por correr com quatro pneus Michelin macios (S6) e dois super macios (SS6) pela manhã, antes de decidir ir com seis SS6s para o segundo ciclo.
Craig Breen teve um começo forte, estabelecendo o terceiro melhor tempo no final do primeiro estágio. Infelizmente, ele sofreu um golpe de má sorte: uma pedra se alojou dentro da roda e danificou o bico de sangramento das pinças de freio, fazendo-o perder gradualmente a eficiência de frenagem. Aconselhado pela equipe, ele conseguiu realizar reparos improvisados no tempo permitido entre os estágios, mas perdeu mais tempo nos dois testes de velocidade seguintes, caindo para décimo na classificação geral no final do estágio de abertura.

Com as esperanças abaladas de alcançar uma posição de pontuação entre os primeiros, Breen passou a tratar o restante do rali como um teste para futuros eventos. No entanto, ele estabeleceu o quarto tempo mais rápido na segunda passagem (Roussieux-Eygalayes,30,54 km), o estágio mais úmido do circuito da tarde, confirmando assim o seu bom ritmo em uma estrada de piso atípico.

Enquanto isso, depois de sua falta de sorte na noite anterior, Kris Meeke fez um começo relativamente cauteloso, mas as mudanças na configuração de seu C3 WRC no serviço do dia lhe permitiram aumentar a confiança para a segunda passagem. Ele confirmou isso após o almoço, estabelecendo o quinto tempo mais rápido em Vitrolles-Oze (26,72 km), a apenas 8,2 s do líder. Seu tempo foi ainda mais impressionante considerando que ele estava correndo em sétimo, uma posição longe da ideal devido à lama que era jogada no traçado pelos pilotos que fizeram o estágio antes dele. De volta ao sexto lugar geral, o irlandês terminou o dia com uma nota alta, estabelecendo o quarto melhor tempo no último estágio.
Com as distâncias já estabelecidas entre os competidores, a equipe Citroën Total Abu Dhabi WRT esperava levar vantagem com a previsão de chuva e neve para o dia seguinte para mostrar suas possibilidades. Houve uma mistura de tensão e emoção no ar na manhã de sábado: Champsaur, o cenário para a terceira etapa, foi coberto com uma manta de neve fresca durante a noite. Ao contrário do dia anterior, no entanto, a escolha de pneus mostrou-se bastante clara: pneus com cravos seriam necessários para passar pelos 45 km dos dois primeiros estágios, e as duas equipes Citroën Total Abu Dhabi WRT optaram por levar seis pneus para a etapa.

Primeiro nos estágios depois de terminar o dia anterior em décimo na classificação geral, Craig Breen atuou como uma espécie de arado de neve para as equipes que partiram atrás dele, e não teve chance de conseguir bons tempos nessas condições. Isso foi especialmente verdadeiro considerando o clima em que as etapas começaram: uma combinação de temperaturas crescentes e chuvas ligeiras que fizeram a neve derreter e se transformar em uma lama traiçoeira. Quinto na ordem de entrada na pista, Kris Meeke desfrutou de estradas mais limpas, mas a aderência estava muito melhor para aqueles que vieram atrás dele. Os dois pilotos da Citroën, no entanto, tiveram uma atuação admirável, subindo para nono e quinto lugares, respectivamente.
Para a segunda passagem neste ciclo, foi requerida uma mistura de quatro pneus de inverno e dois pneus com cravos. Embora a neve e a lama na estrada – ainda presentes em abundância – impedissem Craig Breen de fazer tempos rápidos, Kris Meeke mostrou seu ritmo nas linhas de asfalto que apareceram na medida em que mais carros completaram os estágios. O norte-irlandês foi o terceiro mais rápido no segundo trecho no SS11, mostrando o potencial do C3 WRC, mas perdeu oito segundos ao sair reto em um campo.
Depois de passar brevemente para o quarto lugar na geral, Kris Meeke foi incapaz de impedir o progresso de Lappi na fase final do dia. Craig Breen, finalmente desfrutando de condições decentes, lembrou a todos de seu ritmo, estabelecendo um bom terceiro melhor tempo no SS13, apenas 2,2 s atrás do vencedor do estágio.

No domingo, todo o rali deslocou-se para Mônaco e para o departamento de Alpes Maritimes para as quatro etapas finais. O Col de Turini, um pico localizado pouco mais de 1.600 metros acima do nível do mar, é um dos destaques do evento. A emoção em torno deste estágio se deve muito à atmosfera criada pelo grande número de fãs que ocupam as estradas e pelo clima invariavelmente imprevisível.

Neste ano, o estágio emblemático do “Monte” não foi exceção, com vinte por cento das estradas no primeiro trecho cobertos de geada, principalmente na ultrarrápida região de descida do Col de Turini que leva a Peira Cava. A capacidade de ler o nível de aderência com precisão foi necessária para evitar problemas. Kris Meeke conseguiu negociar melhor o trecho, com dois pneus Michelin com cravos e dois super softs, enquanto Craig Breen optou por uma mistura de pneus de compostos moles (4) e super softs (2). Ambos os pilotos produziram grandes desempenhos no estágio disputado entre La Cabanette e o Col de Braus.

Craig Breen confirmou sua boa forma com um terceiro tempo mais rápido na segunda passagem sobre o lendário Col de Turini. Enquanto isso, Kris Meeke mostrou força e consistência para impedir alguns de seus determinados rivais, o que o ajudou a chegar ao quarto lugar depois de conseguir uma vitória encorajadora no Power Stage. Um final positivo para o rali, o que significou que ele marcou 17 pontos na tabela de classificação dos pilotos – um bom início da temporada. A equipe Citroën Total Abu Dhabi WRT obteve 18 pontos para iniciar a temporada em terceiro lugar no campeonato dos fabricantes.

O QUE ELES DISSERAM

Pierre Budar, chefe da Citroën Racing Team
"Tivemos dois alvos diferentes para Kris e Craig neste último dia: para Kris, a ideia era manter sua posição, enquanto Craig esperava ir bem no Power Stage, e é por isso que eles optaram por estratégias de pneus diferentes. Fico satisfeito que Kris tenha feito o que lhe pedimos – e mais – para garantir o máximo de pontos no Power Stage. Craig também estava a caminho de um bom resultado no Power Stage, mas perdeu alguns segundos quando ele parou em um grampo. Se não fosse por isso, ele também marcaria um bom tempo”.

Kris Meeke
"Foi o Monte-Carlo mais difícil que já disputei. Tivemos tudo: gelo puro em pneus escorregadios na noite de quinta-feira, chuva na sexta-feira, neve no sábado e geada no Col de Turini, no domingo. Estou surpreso por terminar o rali com 17 pontos, mas certamente os levarei! Agora temos que ficar humildes e continuar trabalhando duro para tentar melhorar”.

 

Craig Breen
"O fim de semana teve um começo difícil, com nosso erro na noite de quinta-feira. E então as coisas foram de mal a pior com os problemas de freio na sexta-feira, o que nos deixou abrindo a estrada como
se fôssemos um limpador de neve no sábado. Mas produzimos algumas boas performances em boas ocasiões e fizemos isso novamente na pista de asfalto seco. Agora precisamos continuar trabalhando em condições mais variáveis, como essas que você geralmente encontra em Monte-Carlo”.

RESULTADO FINAL PROVISÓRIO
1. Ogier / Ingrassia (Ford Fiesta WRC) 4:18:55.5
2. Tänak / Jarveoja (Toyota Yaris WRC) + 58.3
3. Latvala / Anttila (Toyota Yaris WRC) + 1:52.0
4. Meeke / Nagle (Citroën C3 WRC) + 4:43.1
5. Neuville/Gilsoul (Hyundai i20 WRC) + 4:53.8
6. Evans/Barritt (Ford Fiesta WRC) + 4:54.8
7. Lappi/Ferm (Toyota Yaris WRC) + 4:57.5
8. Bouffier/Panseri (Ford Fiesta WRC) + 7:39.5
9. Breen / Martin (Citroën C3 WRC) + 9:06.7
10. Kopecky/Dresler (Skoda Fabia R5) + 16:43.0
CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS
1. Sébastien Ogier – 26 pontos
2. Ott Tänak – 18
3. Jari-Matti Latvala – 17
4. Kris Meeke – 17
5. Jari-Matti Latvala – 17
6. Thierry Neuville – 14
7. Elfyn Evans – 8
8. Esapekka Lappi – 6
9. Bryan Bouffier – 4
10. Andreas Mikkelsen – 3
11. Craig Breen – 2


CAMPEONATO MUNDIAL DE FABRICANTES
1. M-Sport Ford WRT – 33 pontos
2. Toyota Gazoo Racing – 33
3. Citroën Total Abu Dhabi WRT – 18
4. Hyundai WRT – 14


Mais fotos disponíveis em
media.citroenracing.com

Top