[cle1: REDIRECTION_DANS Lang:PT] [cle1: SECONDES Lang:PT]

UM RALI EMOCIONANTE ATÉ O FINAL!

O Rali da Finlândia prendeu a atenção dos fãs até o último momento. Dois C3 WRC da Citroën Total Abu Dhabi WRT terminaram na zona de pontuação, com Craig Breen/Scott Martin em quinto e Kris Meeke/Paul Nagle em oitavo.


O Rali da Finlândia começou com um formato bastante incomum para o WRC. Na sexta-feira de manhã, as equipes tiveram de completar duas passagens em Halinen, Urria e Jukojärvi – uma longa perna que totalizou seis estágios, cobrindo uma distância de 83 km.

Os primeiros estágios foram relativamente tranquilos. Mas diversos incidentes marcaram o SS4 (Jukojärvi 1) e nem mesmo Craig Breen passou incólume. Depois de um salto, seguido de um “pouso” muito pesado, o C3 WRC pilotado por ele apresentou problemas de dirigibilidade. Craig, porém, contornou a situação e chegou ao serviço de meio de etapa na quarta colocação, 14,2 segundos atrás do líder e a apenas 4 décimos de segundo do terceiro lugar. Kris Meeke terminou em sétimo, 20,2 s acima do ritmo dos líderes.

Depois de um serviço de meia hora em Jyväskylä, a corrida recomeçou com mais seis etapas: duas provas em Äänekoski e Laukaa, intercaladas com uma passagem em Lankamaa, e depois uma segunda prova no estágio da rua Harju.

Ultrapassado na classificação geral por Østberg no SS8, Craig Breen recuperou o quarto lugar no teste de velocidade seguinte e conseguiu manter a posição até o fim da perna. Craig foi o único piloto não finlandês no top 5.

Lutando com a falta de confiança no carro, Kris Meeke perdeu tempo depois de danificar a direção quando bateu em uma rocha em seu traçado. Depois de endireitar a barra de direção, ele voltou à ação tendo o oitavo lugar de Thierry Neuville em sua mira.

No terceiro C3 WRC inscrito pelo Citroën Total Abu Dhabi, Khalid Al Qassimi chegou ao fim daquela que se mostrou uma etapa particularmente difícil. Depois de trabalhar no acerto do carro ao longo do dia, o piloto retornou a Jyväskylä apenas na vigésima posição.

A segunda etapa do rali, realizada no sábado, foi consideravelmente mais curta. Em mais um dia atípico, a sequência dos estágios mudou entre a primeira e a segunda etapas. As quatro etapas com dois estágios, cada, foram dispostas assim:  Pihlajakoski (SS14 e SS20), Päijälä (SS15 e SS21), Ouninpohja (SS16 e SS19) e Saalahti (SS17 e SS18).

Na fase de abertura do dia, Kris Meeke ainda sentiu os efeitos da colisão do dia anterior. Durante toda a manhã, o piloto “brigou” com a direção do carro. Ele conseguiu subir para a oitava posição após os problemas enfrentados por Østberg em Ouninpohja 1. Mas perdeu terreno atrás de Thierry Neuville.

Quarto colocado no final da etapa de abertura, Craig Breen ficou surpreso com o baixo nível de aderência nos trajetos do segundo dia.  Com a configuração não tão adequada para as condições da estrada, ele cometeu alguns pequenos deslizes, passou reto em uma curva, e caiu para o sexto lugar. Contudo, permaneceu a poucos segundos de seus rivais diretos.

Após o serviço de meio de percurso, os pilotos do Citroën Total Abu Dhabi WRT estavam mais confortáveis. Ambos subiram uma posição em Ouninpohja 2, após o abandono de Latvala, e conseguiram demonstrar o bom desempenho do C3 WRC no estádio mais exigente da temporada.

O último estágio do dia, Päijäilä 2, teve uma série de incidentes. Khalid Al Qassimi caiu em uma vala e atingiu algumas pedras grandes, mas conseguiu chegar ao fim. Poucos minutos depois, Kris Meeke chegou ao final do estágio com avarias substanciais na parte frontal do lado direito do carro, devido à explosão de um pneu furado. Depois de trocar o conjunto roda-pneu, ele completou o estágio final e chegou a Jyväskylä para o serviço de fim de dia.

Combinando desempenho e consistência, Craig Breen terminou o dia na quinta posição, 27,8 s atrás de Suninen, em segundo lugar. Enquanto isso, Kris Meeke caiu novamente para o oitavo lugar, enquanto Khalid Al Qassimi era o 17º no terceiro carro da equipe na classificação.

O terceiro e último dia do Rali da Finlândia teve apenas quatro estágios com uma distância total de 33,84 km, apenas 10% da distância total da competição. Apesar de curta, a etapa final manteve a atenção dos fãs até os momentos de encerramento.

Depois de se aproximar de Lempää, Craig Breen foi mais agressivo com Oittila. Como muitos outros pilotos, no entanto, ele sofreu com as condições de baixa aderência e perdeu tempo depois de superar uma junção. A partir desse momento, o irlandês optou por garantir o quinto lugar. Isolado na classificação geral, entre Tänak e Sordo, Kris Meeke também adotou uma abordagem defensiva para manter sua oitava posição.

Ao fim da etapa, Craig Breen passou a ocupar o quinto lugar no ranking geral – pela quinta vez na temporada ‒, subindo para sétimo no Campeonato Mundial de Pilotos. Já Kris Meeke melhorou no campeonato, graças à sua oitava posição. Enquanto isso, Khalid Al Qassimi terminou o rali em 16º.

Yves Matton, Citroën Racing Team Principal
“A equipe não tinha muito a ganhar hoje e por isso os pilotos optaram por garantir suas posições. Como na Polônia, conseguimos levar os três carros até o fim e reunir muitas informações úteis. Dependendo das condições, o C3 WRC é mais ou menos competitivo, mas sabemos quais as áreas em que precisamos trabalhar. Estamos ansiosos para retornar ao asfalto na Alemanha, naquele que é um rali especial para a Citroën Racing”.

Craig Breen
"Não foi o melhor dia em termos de desempenho. Eu sabia que não conseguiria acompanhar os líderes. Então, eu apenas me concentrei em conter Thierry Neuville. Com certeza, é uma boa série de quintos lugares, mas eu gostaria de voltar ao pódio antes do final da temporada”.

Kris Meeke
“Embora não houvesse muitas milhas para cobrir, ainda era uma etapa adequada, com alguns estágios tipicamente finlandeses e rápidos. Como eu não tinha nada a ganhar ao assumir riscos e estava com pouca confiança, pilotei com segurança para levar o carro ao final”.



Khalid Al Qassimi
“Como ontem, eu era o primeiro na estrada e isso tornou meu trabalho um pouco mais difícil. As estradas estavam muito escorregadias nesta manhã e não foi fácil ‘ler’ o nível de aderência. Por isso, dirigi sem qualquer sensação real, mas não havia mais o que eu pudesse fazer”.


RESULTADO FINAL (NÃO OFICIAL)
1. Lappi / Ferm (Toyota Yaris WRC) 2:30:02.9
2. Evans / Barritt (Ford Fiesta WRC) +36.0
3. Hänninen / Lindstrom (Toyota Yaris WRC) +36.3
4. Suninen / Markkula (Ford Fiesta WRC) +1:01.5
5. Breen / Martin (Citroën C3 WRC) +1:22.6
6. Neuville / Gilsoul (Hyundai i20 WRC) +1:33.1
7. Tänak / Jarveoja (Ford Fiesta WRC) +1:53.6
8. Meeke / Nagle (Citroën C3 WRC) +3:12.6
9. Sordo / Marti (Hyundai i20 WRC) +4:11.5
10. Østberg / Floene (Ford Fiesta WRC) +4:21.2

16. Al Qassimi / Patterson (Citroën C3 WRC) +15:05.3

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS
1. Sébastien Ogier - 160 pontos
2. Thierry Neuville - 160
3. Ott Tänak - 119
4. Jari-Matti Latvala - 114
5. Dani Sordo - 84
6. Elfyn Evans - 79
7. CRAIG BREEN - 53
8. Hayden Paddon - 51
9. Juho Hänninen - 46
10. Esapekka Lappi - 45
11. KRIS MEEKE - 31
12. Teemu Suninen - 25
13. STEPHANE LEFEBVRE - 22
14. ANDREAS MIKKELSEN - 21
15. Mads Østberg - 19

CAMPEONATO MUNDIAL DE FABRICANTES
1. M-Sport WRT - 285 pontos
2. Hyundai Motorsport - 251
3. Toyota Gazoo Racing WRT - 196
4. Citroën Total Abu Dhabi WRT - 139

Top