CITROËN É CAMPEÃ MUNDIAL DE CARROS DE TURISMO PELA SEGUNDA VEZ

Vitórias conquistadas na rodada dupla realizada no circuito de Xangai, na China, dão à Citroën o bicampeonato do Campeonato Mundial de Carros de Turismo.

Decisão agora será pelo título de pilotos – que também ficará com um representante da Citroën.

 

A Citroën é campeã do WTCC (Campeonato Mundial de Carros de Turismo, na sigla em inglês) pela segunda vez. Com as duas vitórias conquistadas na rodada dupla realizada em Xangai, na China, a marca assegurou por antecipação o título de fabricantes do principal campeonato do mundo para carros de produção em série. As duas últimas etapas do campeonato, na Tailândia e no Catar, definirão o título de pilotos. Já se sabe que este também ficará com um representante da Citroën, sendo o argentino José María López o favorito.

 

Na primeira corrida em Xangai, a Citroën conquistou os três primeiros lugares com López, Yvan Muller e Sébastien Loeb. Excepcionalmente, o treino classificatório foi realizado na manhã das corridas. Isso aconteceu porque, no dia anterior, um acidente ocorrido em uma prova preliminar provocou danos em uma das barreiras de proteção, levando os organizadores a alterar a programação para os reparos serem efetuados. No domingo, os carros do WTCC entraram na pista para definir o grid de largada e José María López conseguiu sua quinta pole position na temporada, dividindo a primeira fila com outro piloto da Citroën – o chinês Ma Qing Hua, que evidentemente contava com toda a torcida local.

 

Poucas horas depois, os pilotos alinharam para o grid da corrida 1. Quando as luzes se apagaram, Ma Qing Hua ficou parado no grid e López manteve a primeira colocação. A primeira volta foi caótica, com cinco carros sendo forçados a abandonar após várias colisões. O safety car foi acionado e, durante cinco voltas, circulou à frente do pelotão, que tinha os Citroën de López, Yvan Muller e Sébastien Loeb ocupando os três primeiros lugares. A corrida recomeçou e López rapidamente se afastou de seus companheiros de equipe. Estes também se distanciaram do quarto colocado, Nick Castburg. Mais atrás, Ma Qing Hua fazia uma corrida de recuperação e já era o oitavo colocado quando foi obrigado a abandonar a corrida por causa de uma pane na transmissão. Com a “trifeta” de López, Muller e Loeb, a Citroën marcou pontos suficientes para assegurar o título de fabricantes do WTCC com cinco corridas de antecipação.

           

Após a cerimônia do pódio, os carros voltaram para a segunda corrida do dia, sob forte calor. O italiano Gabriele Tarquini assumiu a liderança na largada, com Muller e Loeb andando lado a lado na busca pelo segundo lugar. Uma luta entre 13 títulos mundiais, com Muller, quatro vezes campeão do WTCC, levando a melhor sobre Loeb, nove vezes campeão mundial de rali (WRC). López se aproveitou da briga e se colocou entre seus dois companheiros da Citroën.

           

Muller ultrapassou Tarquini e assumiu a liderança, abrindo cada vez mais distância e tornando impossível uma aproximação dos adversários em condições normais. A luta pelo segundo lugar passou a atrair as atenções. López tentou ultrapassar Tarquini de todas as maneiras, mas o italiano cruzou a linha de chegada na frente, por apenas 0.025 s. Loeb, lutando com um pneu prestes a se esvaziar, preferiu não se arriscar e assegurou o quarto lugar. Ma Qing Hua terminou em oitavo, imediatamente atrás do marroquino Mehdi Bennani, com o Citroën da equipe Sébastien Loeb Racing. Bennani, quinto colocado na primeira corrida, foi em ambas o vencedor do troféu para pilotos de equipes independentes.

 

Após a corrida, Yves Matton, chefe da Citroën Racing, saudou toda a equipe pelo título: “Primeiro, quero agradecer aos nossos pilotos pelo trabalho feito e pelo senso de esportividade. Mesmo com o melhor carro e a melhor equipe, não se consegue resultados como estes sem ter pilotos excepcionais. Em particular, quero agradecer Yvan, que foi o primeiro a se juntar a nós e dar certeza de que estávamos prontos para começar [no WTCC] na temporada de 2014. Quando falamos da Citroën Racing, isso também inclui todo o staff no nosso centro técnico. As pessoas não os veem na televisão, mas eles fazem parte da conquista deste título mundial”.

 

José María López passou a ter grandes possibilidades de conquistar o título de pilotos por antecipação na próxima etapa, que acontecerá na Tailândia entre 30 de outubro e 1º de novembro. “Parabéns a toda a Citroën Racing, tanto às pessoas que estão aqui quanto às que ficam em Versailles enquanto viajamos para os circuitos. Sobre hoje, fiquei um pouco preocupado na largada da corrida 1. Não pude ver Ma Qing Hua nos retrovisores e pensei que ele estava muito próximo de mim, mas na verdade ele havia tido algum problema na largada e eu pude assumir a liderança. Depois disso, tentei evitar cometer erros e pude marcar pontos preciosos [no campeonato]. Na corrida 2, a batalha com Gabriele Tarquini foi fantástica. É por isso que adoro corridas! Não pude passá-lo, mas não importa. Com uma vantagem de 75 pontos a duas etapas do final, atingi meus objetivos”.

           

Yvan Muller, vencedor da segunda corrida: “Tive dificuldades nos treinos livres, mas depois de muito trabalho com a equipe consegui me classificar bem e isso foi seguido por duas boas corridas, com muitas ultrapassagens! Minha vitória na corrida 2 veio por causa de uma estratégia de economizar meus pneus quando Gabriele estava um pouco mais rápido. Tentei então a sorte e, apesar de ele ter lutado muito, consegui ultrapassá-lo. Parabéns à Citroën. Eles merecem este título porque, simplesmente, são os melhores. Sem todas as pessoas que trabalham muito nos bastidores, não poderíamos fazer nada disto”.

           

Sébastien Loeb: “Mesmo na longa reta, era difícil ultrapassar outros Citroën. Foi um final de semana um pouco frustrante para mim. Perdi para Yvan e isto não era exatamente o que eu esperava. Dito isto, tive um bom ritmo nas duas corridas. Parabéns para todos os membros da equipe por este título, que estende uma longa fileira de sucessos iniciada em 2003”.

           

Ma Qing Hua, por sua vez, esperava resultados melhores na etapa realizada em seu país. “Estou realmente chateado, porque trabalhamos muito para esta etapa. Fiquei contente com meu desempenho no treino classificatório por conseguir um lugar na primeira fila. Mas tive um problema técnico na largada da corrida 1. Eu não conseguia acreditar! Na corrida 2, consegui ganhar algumas posições, mas meus pneus estavam muito aquecidos e perdi meu ritmo à medida que as voltas se sucediam. De qualquer maneira, estou muito orgulhoso por ser parte desta equipe e por ter contribuído para este título. Espero continuar com a Citroën por muito tempo!”, finalizou.

 

WTCC – Shangai (China), 27 de setembro de 2015 

Grid de largada (cinco primeiros colocados)

1. José María López (Citroën C-Elysée WTCC)
2. Ma Qing Hua (Citroën C-Elysée WTCC)
3. Nick Catsburg (Lada Vesta WTCC)
4. Sébastien Loeb (Citroën C-Elysée WTCC)
5. Yvan Muller (Citroën C-Elysée WTCC)

 

Corrida 1
1. José María López (Citroën C-Elysée WTCC)
2. Yvan Muller (Citroën C-Elysée WTCC)
3. Sébastien Loeb (Citroën C-Elysée WTCC)

4. Nick Catsburg (Lada Vesta WTCC)
5. Mehdi Bennani (Citroën C-Elysée WTCC)
Volta mais rápida: José-María López (1:52.401)

 

Corrida 2
1. Yvan Muller (Citroën C-Elysée WTCC)
2. Gabriele Tarquini (Honda Civic WTCC)
3. José María López (Citroën C-Elysée WTCC)
4. Sébastien Loeb (Citroën C-Elysée WTCC)

5. Rob Huff (Lada Vesta WTCC)
6. Tiago Monteiro (Honda Civic WTCC)
7. Mehdi Bennani (Citroën C-Elysée WTCC)
8. Ma Qing Hua (Citroën C-Elysée WTCC)
Volta mais rápida: Sébastien Loeb (1:52.191)

 

Campeonato Mundial

Pilotos
1. José-María López: 396 pontos
2. 
Yvan Muller: 321 pts
3. Sébastien Loeb: 282 pts
4. Ma Qing Hua: 177 pts

5. Norbert Michelisz: 172 pts
6. Gabriele Tarquini: 171 pts
7. 
Tiago Monteiro: 163 pts

 

Fabricantes

1. Citroën: 879 pontos
2. Honda: 609 pts
3. Lada: 320 pts

 

 

 

Top